Coronavírus avança em Portugal

A Europa como um todo sofre com os efeitos da pandemia do coronavírus, a Covid-19. É lógico que o vírus não se espalhou de forma uniforme e tão pouco, foi seletivo pelos países. De um lado, a Itália é de longe o país europeu mais atingido e de outro, Portugal ainda demonstra resistência à proliferação do vírus. Desde que o novo coronavírus foi descoberto na China, a imprensa portuguesa vem noticiando com frequência e de forma alarmista, a escalada da epidemia pelo mundo. Aqui em Portugal, as autoridades da saúde não podem dizer que foram pegas de surpresa. O governo português tem procurado agir rápido, embora muitos considerem estes movimentos demasiadamente desproporcionais. De qualquer forma, tanto do ponto de vista da saúde, da vida social e da economia, os planos de contingência para controlar o avanço do vírus fazem sentido.  

Não podemos comparar coisas diferentes de forma igual: a Itália tem 68 milhões de habitantes e Portugal tem 10 milhões. Entretanto, o governo italiano foi tardio em suas medidas de contenção e a população italiana não entendeu de pronto a gravidade da contaminação do vírus. Já em Portugal, muito pelo contrário, há quem diga que a restrição ao convívio social, a proibição de eventos com mais de 1000 pessoas em ambientes fechados, ou com 5000 pessoas em locais abertos e o fechamento de escolas, controle de fronteiras entre Portugal e Espanha e mais um pacote de 30  medidas, são precauções exageradas. Mas na prática, estas medidas têm demonstrado até aqui, sua assertividade.

O norte de Portugal é de fato a área mais atingida. Aqui em Braga, reduto significativo de brasileiros, a população tem se mobilizado para conter a doença. O Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, estendeu a medida de fechamento do ICS – Instituto de Ciências Sociais – onde apareceu um caso de contaminação de um aluno do curso de História – para toda a Universidade. A decisão mostrou-se apropriada e foi seguida por inúmeras Universidades pelo país.    

Quando o Presidente Marcelo Rabelo de Souza impôs a si próprio uma quarentena, após ter tido contato com um grupo de alunos, um deles contaminado, houve uma série de críticas. Posteriormente, o resultado do seu teste foi negativo para o coronavírus e as críticas aumentaram ainda mais, pois o presidente não apresentava sintomas e mesmo assim, apesar do resultado negativo, manteve seu afastamento até completar os 14 dias da quarentena. Medida sensata, uma vez que o presidente é muito conhecido aqui em Portugal por frequentar vários lugares, comparecer a inúmeros eventos e de ser extremamente afetuoso com os portugueses. Amanhã o presidente e o primeiro ministro se reúnem com o conselho de Estado para decidir sobre a decretação do estado de emergência em Portugal. 

É curioso como Portugal se mobilizou rapidamente. O primeiro ministro António Costa e sua equipe de ministros responderam prontamente com medidas práticas, com a preocupação de passar informações reais para mídia e consequentemente para população, tanto dos riscos quanto das medidas que foram tomadas pelo governo. Sinceramente, o SNS Serviço Nacional de Saúde português tem seus problemas, mas vem se desdobrando para garantir atendimento pleno não só aos portugueses, mas também a todos que dele necessitam, como nós brasileiros, por exemplo.

O caminho da recuperação econômica será longo. Portugal tem no turismo sua principal fonte de receita (representa aproximadamente 15% do PIB português) e foi o primeiro e o mais atingido, neste sentido, pela pandemia. Uma última nota ruim nisso tudo vai para a União Europeia que até o presente momento, pouco se pronunciou e quando o fez, foi de forma protocolar. Parece até que a Europa não foi duramente atingida e o pós Covid-19 será muito custoso para o continente europeu, que já andava pelas tabelas com o Brexit, com a queda nas exportações, com os movimentos migratórios e com a desaceleração das principais economias.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *